Notícias e Destaques Novos estudos apontam para o aumento do risco de Gamopatia Monoclonal de Significado Indeterminado em bombeiros expostos a carcinógenos do 11 de setem

A verdade sobre as toxinas: novos estudos apontam para o aumento do risco de Gamopatia Monoclonal de Significado Indeterminado em bombeiros expostos a carcinógenos do 11 de setembro

Escrito por: Brian GM Durie

Um novo estudo mostra que os bombeiros da cidade de Nova Iorque que estiveram presentes no ataque terrorista de 11 de setembro de 2001 ao World Trade Center estão duas vezes mais propícios a desenvolver o estado precursor do mieloma múltiplo (GMSI - Gamopatia Monoclonal de Significado Indeterminado). Em decorrência do colapso das torres, muitos produtos químicos cancerígenos (carcinógenos) estavam no ar, incluindo PCBs (bifenilos policlorados), HAPs (hidrocarbonetos aromáticos policíclicos), dioxinas, amianto, fumaça de diesel e outros. Portanto, não é uma surpresa encontrar um risco maior de câncer entre aqueles que foram expostos a esse ambiente.

Para a verificação do aumento de ocorrências de GMSI e do mieloma foi necessária uma análise detalhada da doença nos bombeiros (16 casos), assim como a análise de amostras de soro de 781 bombeiros (com mais de 50 anos) em risco de desenvolver GMSI. Entre os pacientes de mieloma, foram encontradas características inesperadas e incomuns, tais como: idade jovem na etapa inicial (média de 57 anos – 12 anos a menos que a média comum); células de mieloma CD20 positivas; um subconjunto pior de prognóstico em 71% dos pacientes (contra 20% esperado); mieloma do tipo cadeia leve em 50% dos bombeiros homens brancos (contra 20% esperado). Além disso, a ocorrência de GMSI do tipo cadeia leve aumentou duas vezes em relação a bombeiros correspondentes do Minnesota, os quais obviamente não foram expostos às toxinas geradas no 11 de setembro.

Em suma, os dados indicaram – assim como estudos anteriores - que as exposições ao 11 de setembro constituem fatores de risco reais para o desenvolvimento tanto do GMSI quanto do mieloma, com uma tendência à menor idade de início, ao tipo de cadeia leve e a uma doença de menor risco. Os artigos, publicados no Journal of the American Medical Association, ainda observam que os níveis de outros cânceres, doenças pulmonares e outros problemas médicos também estão ocorrendo em taxas elevadas entre aqueles que foram expostos.

 

O que é preciso para mostrar um elo de causa?

Este novo estudo se acrescenta à lista de ligações entre exposições tóxicas e o aumento da ocorrência dos estados precursores GMSI e SMM (mieloma múltiplo latente) e mieloma entre os indivíduos expostos. Como já observado em um blog anterior, a cobertura médica apropriada (para atendimento) e as proteções regulatórias sobre exposições são praticamente inexistentes nos EUA. Em completo contraste com esses lapsos nos EUA, uma ação recente foi tomada na Europa para banir completamente o uso de pesticidas externos (inseticidas neonicotinoides), os quais são acusados de devastar a população de abelhas. A União Europeia aprovou esse plano com base em pareceres científicos da Autoridade Europeia para a Segurança Alimentar, financiada pela União Europeia.

Nós não só precisamos de abelhas como polinizadores na agricultura, como elas também podem ajudar a nos salvar de nossa atual acumulação maciça de materiais plásticos tóxicos não degradáveis, permitindo-nos substitui-lo por um plástico ecológico feito com cera de abelha.

Nenhuma proibição desse tipo de pesticida é provável nos EUA, onde os tomadores de decisão frequentemente desconsideram os conselhos científicos. A falta de tomada de decisão baseada em fatos é inclusive ilustrada por artigos de notícias recentes. Como citado no The New Yorker, os cientistas dizem que a "rejeição de evidências científicas" do governo tem sido "particularmente notória" no caso da mudança climática. E no The New York Times, o ex-diretor da CIA e da NSA, Michael Hayden, observa a “erosão dos valores do Iluminismo” em nosso atual mundo “pós-verdade”.

 

Importância da prevenção e tratamento

No nível global, nos deparamos com questões sobre o que poderia ser feito para reverter as mudanças climáticas em contrapartida a lidar com as consequênciaswq33, que, infelizmente, são a situação atual. Exemplos das consequências não intencionais - tanto boas quanto ruins - atualmente noticiadas incluem:

  • Um baby boom de baleias-jubarte nos oceanos do sul da Antártica. Os cientistas atribuem isso, em parte, à adição de mais 80 dias livres de gelo por ano. Como resultado, as baleias podem se deliciar em mares abertos com uma abundância de pequenos crustáceos semelhantes a camarões chamados krill.
  • A morte da Barrier Reef (barreira de corais na Austrália), especialmente no extremo norte. Causado por temperaturas mais altas da água e condições mais ácidas, o fenômeno tem levado pesquisadores a lutar para chegar a soluções de tratamento. Uma resposta possível? O uso de novas ferramentas de edição do genoma para produzir corais capazes de sobreviver nas novas condições mais hostis.
  • Um caso relacionado às consequências não intencionais nos chega do mundo das bactérias. Os cientistas examinaram o que aconteceria se você desse às bactérias todo o açúcar que elas quisessem. Acontece que as bactérias se alimentam initerruptamente e tornam o seu ambiente de crescimento tão ácido que morrem.

Nosso ambiente e nossos corpos existem em um delicado equilíbrio de reações bioquímicas que devem ser protegidas de mudanças drásticas.

 

Novas lições sobre prevenção, tratamento e cura

Evitar problemas é muito melhor do que tentar se livrar deles mais tarde. Se, através do projeto iStopMM® na Islândia e do recém-lançado estudo Stand Up to Cancer, pudermos entender por que e como a GMSI e o mieloma estão ocorrendo, teremos o potencial de prevenção. O diferencial de custo entre o tratamento do mieloma e a sua prevenção é incrivelmente favorável à prevenção. Como o Wall Street Journal observou em seu artigo “O Tratamento do Câncer de Um Milhão de Dólares: Quem Pagará?”, já estamos maximizando a capacidade do sistema de saúde de absorver esses enormes custos.


Há muito em que se pensar quando enfrentamos um ambiente que está mudando rapidamente em todos os sentidos.