Histórias de Pacientes Elizabete
comunicacao@myeloma.org.br

“Meu nome é Elizabete, vi no programa do Batoré falar sobre IMF, achei interessante o trabalho realizado por vocês. Pois bem, quero passar minha experiência com Mieloma Múltiplo e relatar meu estado após dois autotransplante de Medula Óssea descoberto em março de 2014. A forma pela qual foi descoberto, não foi nada agradável. Desde minha adolescência sentia dores nas costas, travei por diversas vezes, desde então, consultando ortopedistas, neurologistas, os quais faziam RX tomografia, ressonância, e receitavam paliativos, as dores cada vez pior. No mês de junho de 2013, travei ficando sem condições de trabalhar. Procurei ortopedista, fiz tratamento por três semanas, sem resultado, o médico me internou, pediu vários exames, e disse que a solução seria cirurgia, mas eu estava com uma anemia forte e para realizar a cirurgia seria necessário aplicar injeções pra engrossar o sangue, eu, com dores extremas concordei, feita a cirurgia, surgiu dores abdominais que me impediam levantar, mover os braços, sem poder mexer na cama, pra me tirar da cama eu gritava de dor, a cirurgia infeccionou, e fiquei internada por um mês. Meu esposo perguntou o motivo daquelas dores, o médico disse que era coisa da minha cabeça, cobrou quase dez mil reais pela prótese. Tive alta mesmo gritando de dor, fiquei acamada, e quando consegui andar apoiada pelo meu esposo fui consultar um clínico para ver a anemia, que para mim era surpresa, uma vez que sempre procurei uma alimentação saudável. Feito os exames fui encaminhada com urgência para um hematologista. Esse ortopedista que fez a cirurgia não deu nota fiscal da "dita" prótese, não devolveu os exames, nem a ressonância que pagamos, meu esposo foi no hospital buscar e não foram encontrado. Fui consultar outro médico neste mesmo hospital que atende pelo SAS, e meu prontuário havia sumido, o qual continua desaparecido. Sequelas: Baixei 10cm da minha altura, tenho múltiplas lesões ósseas em toda coluna, sinto dores fortes e diárias na coluna, por conta também do estrago que o mieloma fez, enfim, não tenho qualidade de vida. Faço acompanhamento na Uopeccan aqui de Umuarama. Descobri depois que médico que fez a cirurgia da coluna, colocando minha vida em risco de morte, que ele já cometeu vários erros, deixando pessoas na cadeira de roda e uma série de erros, também é vendedor de Prótese, talvez seja falta de ética da minha parte mas, vou citar o nome dele aqui até mesmo como desabafo. Outra colocação é a respeito das dores que sinto, além das múltiplas lesões sinto dores nos quadris, o máximo de tempo que aguento ficar em pé é 40m, se ficar mais, a perna direita dói e formiga, tenho artrite/artrose, espondilite, bursite, joanetes, esporão calcâneo, um sério problema no coração que foi descoberto em dezembro de 2016 o nome da doença: Hipertrofia Asseptal assimétrica, e umas outras que não vou citar pra não aumentar mais o texto”.

 

Participe. Conte você também a sua história. Clique aqui!