Histórias de Pacientes Maria Angélica
comunicacao@myeloma.org.br

A anemia foi diagnosticada aos 34 anos, persistiu por  dois anos, passei por hematologistas, homeopatas, clínicos geral e nenhum deles descobriu a causa dessa anemia. Em novembro de 2014 fui num hematologista considerado experiente, e em abril de 2015 foi fechado o diagnóstico de Mieloma Múltiplo! Uhau, mieloma múltiplo? Eu enfermeira (e agora paciente) nunca tinha ouvido falar! Então o médico disse: Essa doença é crônica, não tem cura, vc vai fazer o tratamento com transplante autólogo e voltará ter uma vida normal, pois vc é jovem, é saudável, tem um bom prognóstico. Me disse ainda, que essa doença é comum em idosos do sexo masculino!!! Pensei... Fui premiada então! Daí comecei a buscar informações, parceiros de lutas e descobri que o número de jovens portadores de MM é muito mais comum do que se conhece e se fala. Passei pelo TMO em dezembro de 2015, fiz tratamento de consolidação de transplante com talidomida e hoje sigo bem,  em remissão, curtindo e agradecendo a vida. Não deixe de investigar os sintomas que seu corpo lhe apresenta, como dores ósseas, anemia, dor na coluna, etc... As chances de sucesso no tratamento são muito maiores quando descobrimos no começo. Um abraço fraterno a todos!!!

 

Participe. Conte você também a sua história. Clique aqui!